sábado, 29 de agosto de 2009

Contrução da Noção de Sujeito

É muito engraçado como a mente das pessoas funciona.... Eu não sei não... Mas eu fiquei um bom tempo pensando por onde começaria a criar, ou melhor, a tentar entender a noção de sujeito... Depois de dois dias pensando, decidi que o melhor seria começar pela tese do professor Castrogiovani, afinal de contas, com ela eu poderia ter uma idéia geral e, a partir daí, iniciar a leitura mais aprofundada sobre o tema.
Feito!
Iniciei com a tese do Castro, tive uma idéia geral e comecei a ler o Morin, decidi começar pelo livro "A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento" que tem uma proposta bem interessante e fascinate! Aqui estou eu... Sábado, às 16:11 na biblioteca da UCS tentando terminar o capítulo do livro que trata sobre o assunto, na verdade, não é nem um capítulo, é o segundo anexo do livro... Mas aí o negócio começou a ficar complicado, complexo demais, filosófico demais... Como a minha mente trabalha via fuga, eu saí, fui na lanchonete, lancheria, bar, seja lá o nome que se dê aqui ou em Belém, comprei um H2O (aff...), voltei, li mais um pouco, saí novamente, comprei uma barra de chocolate, voltei para tentar ler, e agora estou aqui....
É... não sei, não... Eu decidi que viria à UCS hoje pq em casa eu não consigo produzir... Mas e agora?!?!

Bom, eu acho que preciso mesmo é de um cafezinho... ;)
Então, vou a procura de um e volto para tentar terminar de decifrar o Morin, porque depois dele ainda tem o Stuard Hall (A identidade cultural na pós-modernidade), o Molina, como o pós turismo e o meu grande amigo Maffesoli, quem eu nunca consegui entender...

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

É sempre bom ser elogiada


Bueno,

Não dá negar que quando recebemos um elogio, especialmente de pessoas que somente dão elogios, mas fazem com que eles tenham valor...

Ontem o dia não foi muito produtivo... Aliás, produtividade, às quintas e sextas ppor aqui é meio complicado...! Mas valeu a pena pelo "recadinho" que recebi.

Essa é, então, a foto da tela, porque depois de todos os perrengues e angústias que passei por aqui, creio que o meu ego merece. Então é isso aí... Isto é só para alimentar meu ego! hehehe (para ler a mesnagem da imagme é só clicar em cima dela para ampliá-la)

Só espero que uma escrita "a la Rebecca" seja também um elogio ;)

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Orientação 19/08

Na orientação de duas semana atrás, tenha definido que iniciaria a construção das minhas categorias pela categoria espaço, por julgar que seria a mais fácil e, por ter feito meu estágio docência na disciplina de paisagem, tinha as bibliografias fresquinhas na minha cabecinha... Ledo engano! Duas semanas se passaram eu estava simplesmente perdida!! Tem tanta coisa, tanta bibliografia que não sabia por onde começar... Eis que decido começar pelo papa Milton Santos, mas... A mesma questão que me pegou de surpresa na banca de qualificação: espaço ou territóro? Não sabia mais o que era o que... Minhas convicções de graduação foram todas quebradas depois que entrei no mestrado.

19/08...

Orientação....

Pego a tese do Castro, chego com a minha orientadora com todas as minhas angústias e me vem a pergunta: "Qual a diferença na concepção de espaço no roteiro turístico tradicional para o roteiro turísticom contemporâneo?" Momentos de silêncio e eis que ela fala que isso era uma pergunta para mim.... Como é que eu vou saber?? Tentei me explicar e ela colocou meu nobre pensamento (modésta!!) em esquema... Conversa vai, conversa vem e a possível solução... Começar pela categoria sujeito...! Putz! Pq eu não segui minha intuição semana passada? Teria adiantado meu trabalho em pelo menos um livro (agora meus parãmetros de medida são em bibliografia, não em tempo). decidido, então... Iniciaremos pela categiria sujeito... Utilizarei somente três autores (principais) outros poderam ser usadas, mas superficilamente, são eles: Edgar Morin, Stuard Hall (comfesso que tenho dificuldade com essa leitura, ou pelo menos eu tive no ano passado) e Molina, como pós-turista e pós-turismo...

Então, é isso aí... vamos começar!

Deixando a análise das publicações da Folha de São Paulo de lado, iniciarei amanhã com o Morin, leitura bem agradável ;)

Artigo Amazônia

Ainda com um título ainda não bem definido, pretendo tratar no artigo questões relacionada à Amazônia, mas não tratarei de questões ambientais! Aliás, isso é uma coisa que me incomoda demais! Por que quando se fala em Amazônia o povo, em geral, pensa em uma graaaande área verde, florestas, rios, animais.... Temos isso, sim! Mas também temos muito mais! Temos um POVO, temos CULTURA, temos IDENTIDADE... E porque esses aspectos são desconsiderados, ou pelo menos dá-se muito memos importâcia... patrimônio natural ameaçad, sim! Mas um povo com uma cultura rica que grita por atenção...
Mas deixando emocional e paixão de lado, vamos em frente.... No artigo abordo questões relacionadas à politica governamental de ocupação da Amazônia com a abertura da estrada Belém-Brasília, mas isso não é o ponto chave do artigo, aliás, muito provavelmente vou retirar esse tópico para utilizá-lo em uma segunda oportunidade. Debato sobre o significado de pertencer à Amazônia, falo da importãncia e dificuldade de construir uma teoria crítica para a região, aliás, é dessa forma que a Amazônia é abordada, como REGIÃO, não como floresta; valores dos povos amazônicos, onde trato de questões relaciodades à identidade e cultura, cidadania e, por fim, faço uma análise sobre o município de São João de Pirabas, no Nordeste Paraense, uma localidade cheia de encantos, misticismo, lendas (tem alguns relatos dos pescadores e moradores do município, que foram coletados em 2004, em uma das minhas primeiras visitas ao Município à pesquisa)e belezas naturais exuberantes.

Existe ainda uma proposta de trabalhar com representações sociais, mas não sei se tenho tempo hábil para utilizar essa proposta nesse artigo. Minha intenção inicial era tecer um comparativo entre as publicações da década de 1970 (70, 74, 75, 76 e 79), por ter sido a década da conclusão da Belém-Brasília e o momento contemporâneo (00, 04, 05, 06 e 09). Como não se tem acesso on line às publicações da Folha de São Paulo (jornal escolhido por ter a maior triagem nacional) antes de 1999, teria que encomendar a pesquisa, o que me custaria cerca de 600 reais, ignorei a idéia, pelo menos por agora, e estou analisando apenas as publicações desta década. Como recém comecei a análise, e estou envolvida com outros milhares de coisas, conclui apenas o segundo semestre de 2000 e iniciei hoje o primeiro semestre (sim, de trás pra frente aff), para concluir 2000 faltam apenas os meses de abril, maio e junho, o que farei, provávelmente no fim de semana.

Então é isso...

Iniciando o Diário

Há muito venho pensando em criar um blog... sem maiores pretenções, quero apenas um local para escrever sobre os percursos e percalços da pesquisa... Atualmente, como mestranda da UCS - Universidade de Caxias do Sul, estou pesquisando sobre roteiros turísticos. Inicialmente, o título é "Roteiro turístico, Tradição e Superação: tempo, espaço, sujeito e geotecnologias como categorias de análise", não creio que deva haver grandes mudanças...
Bom, dentro desse tema pretendo construir categorias que me dêem suporte para analisar O que é roteiro turístico. Confesso que, a princípio, a proposta era bem mais modesta, mas, com as orientações o projeto foi tomando maiores proporções.
Então... É isso aí, criei este espaço para expor e registrar os caminhos da minha pesquisa (tópico da minha metodologia - hehehehe).
Além da dissertação também tenho um artigo em andamento, sobre a Amazônia (que provavelmente terá o título modificado) e uma monografia sobre ensino de inglês para o turismo que, inicialmente. seria trabalhado com guias de turismo, mas muito provavelmente venha a ser uma análise comparativa entre hotelaria e turismo (ambos bacharelado) e que ainda não tem título definido.

Portanto, há muito o que se comentar por aqui...