terça-feira, 27 de julho de 2010

Bases para pensar o “Roteiro Turístico Pós-moderno”

As reflexões possibilitadas pela pesquisa bibliográfica exploratória que deu suporte aos estudos preliminares da minha dissertação permitiram que eu pensasse o Roteiro Turístico como Roteiro Turístico Tradicional e Roteiro Turístico Pós-Moderno.

O desenvolvimento da pesquisa somou uma inquietação há muito presente, no que se refere às práticas pós-modernas de Turismo, acrescida ao que pode ser colocado como um reducionismo teórico nas concepções teórico-conceituais para ROTEIRO TURÍSTICO presentes na literatura, que talvez não esteja permitindo o avançar para compreendê-lo no contexto do Turismo contemporâneo. Buscou-se, nesses termos, avançar na sua construção teórica a fim de transcender as práticas de mercado e, por que não?, a teorização em voga, que herda da primeira a postura cartesiana e pragmática.

Analisadas as obras especializadas sobre o tema (BAHL, 2004a; 2004b; TAVARES, 2002; PRT, 2005), percebeu-se que, tradicionalmente o Roteiro tem sido tratado como cronograma de viagem que organiza os atrativos no Tempo e no Espaço (identificaram-se, assim, as duas primeiras categorias de análise); perifericamente pode-se perceber a presença da categoria Tematização.

A opção por trabalhar com categorias de análise fez-se a partir da escolha do método, a DIALÉTICA que, até então, pareceu ser adequada como suporte ao diálogo necessário entre o estado da arte atual, portanto a TESE, entre os questionamentos e proposições de novas categorias (Sujeito e Tecnologia), para a composição da ANTÍTESE e, entre os resultados alcançados via análise reflexiva do que fora estudado, compondo a SÍNTESE. Com o avanço dos estudos, percebeu-se que a COMPLEXIDADE, conforme proposta por Edgar Morin, poderia também dar suporte, como uma postura epistemo-filosófica, à pesquisa.

Essas foram as bases que deram sustentação à proposta de pensar o Roteiro Turístico. Nas próximas postagens trarei uma síntese dos capítulos que compõem a dissertação.

De volta...

Sempre que relego o blog é porque ando ocupada demais com as coisas do mestrado. Dessa vez não foi bem assim.

Após a “primeira finalização” da dissertação (já estou na quarta ou quinta) fui à Belém para prestar concurso público para o Cefet – hoje Ifpa – Campus Altamira. Saí com uma promessa, a de retomar meu “achado” sobre o conceito de Roteito Turístico. No entanto, minha ida à Belém foi um tanto conturbada. Como sempre muitas pessoas para visitar, a divisão entre Mosqueiro (onde meus pais estão morando) e Belém (onde estão meus amigos e affairs – no sentido de pessoas e lugares que quero bem). Outros acontecimentos de ordem puramente pessoal – que não cabem aqui – também deram um ar de viagem conturbada. Além de tudo, se já não fosse o bastante – levei bomba na prova didática! Fiquei completamente sem palavras e usei apenas 8 de 30 minutos!! Isso jamais me tinha acontecido antes! Nunca houve qualquer situação que tenha me deixado sem palavras...

Superados os abalos era hora de voltar pra Caxias. Um retorno nunca tão esperado! Não via a hora de voltar à minha “zona de conforto gaúcha”. O que por si só já era bastante estranho. Primeiro porque voltar de Belém pra Caxias sempre foi um problema. Segundo porque era JUNHO, quer período melhor pra visitar Belém? Junho, o mês das quadras juninas e o melhor: ARRASTÃO DO PAVULAGEM – que, diga-se de passagem, o único dia que poderia ter ido foi exatamente o dia da prova didática do Ifpa. Terceiro, largaria o colo de papai e mamãe...
Retornando a Caxias, dei um (outro, como se os 15 dias em Belém não bastasse) tempo da dissertação. Com a proximidade do SeminTur que aconteceu nos dias 08, 09 e 10 de julho, e com o acúmulo de atividades que tinha (Coordenação Geral do SeminTur Jr.; Coordenação do Grupo de Trabalho 02 Turismo e Planejamento; Equipe de apoio do SeminTur major para o dia 09; apresentação de trabalho no dia 10, acabei focando apenas nisso.

Findo o SeminTur Jr. era hora de focar nos artigos para Amphort, Anptur e Intercom. Feito isso, retornei à dissertação com a terceira finalização – escrever as considerações finais (a segunda finalização foi escrever a apresentação).

E, após cinco dias de “férias” em Jaguarão, Rio Branco, passando por Pelotas e um fim de semana em São Lourenço (onde, dentre muitas coisas novas, conheci a lareira, a ovelha e a Lagoa; sem esquecer da abóbora caramelada, meu prato predileto desde sábado), estou de volta à minha realidade virtual, com aualizações no blog sobre o GT 02 do SeminTur Jr.; o resumo do artigo sobre o jornalista, blogueiro e apresentador Zeca Camargo, enviado e aprovado em um evento na Itália (Milão); artigos enviados à Anptur; artigo apresentado no VI SeminTur e as finalizações da dissertação.


Respirando fundo e lá vamos nós!